A influência do folclore polonês na série The Witcher

Há cerca de três meses eu decidi encarar um duro desafio. Com a oferta de um curso de polonês na cidade onde moro, resolvi me inscrever para aprender uma nova língua e principalmente, para conhecer um pouco da cultura de um povo com o qual pouco havia tido contato .

Confesso que a tarefa tem sido mais complicada do que esperava, mas o pouco que aprendi até agora foi o suficiente para me fazer apaixonar pela língua e o suficiente para despertar a vontade de querer absorver o máximo que pudesse da sabedoria dos poloneses e seus descendentes.

Foi então que, após começar a jogar o espetacular The Witcher 3: Wild Hunt, desconfiei que o título teria aproveitado um pouco da cultura polonesa na construção do seu belo mundo, já que seus desenvolvedores são de lá e surgiu a ideia de escrever um artigo falando sobre as lendas locais que inspiraram as muitas ameaças que encaramos no aclamado RPG.

the-witcher

— Sapkowski, o bruxo e os monstros

Baseado no livro homônimo do escritor polonês Andrzej Sapkowski, The Witcher (Wiedźmin, no original) é uma série de jogos criada pela CD Projekt RED, desenvolvedora localizada em Varsóvia.

Andrzej_Sapkowski
O autor de Wiedźmin, Andrzej Sapkowski.

Ambientada em um mundo de fantasia, a história gira em torno de Geralt de Rívia, um bruxo geneticamente modificado cuja especialidade é caçar monstros e que durante sua aventura se envolve com belas mulheres e presencia a sangrenta disputa política que ocorre no local.

Além de apresentar um mundo virtual extremamente detalhado, repleto de histórias e personagens marcantes, a série ganhou a atenção dos jogadores ao oferecer um elaborado sistema de escolhas morais, colocando-os para tomarem decisões complicadas e tendo a possibilidade de ver tudo ao seu redor sendo alterado de acordo com suas ações.

No entanto, um dos destaque da série é também a grande variedade de seres sobrenaturais que o protagonista encontrará durante a aventura e a seguir você verá que alguns deles foram inspirados no folclore polonês, que vale dizer, parece ter um fascínio por aparições aquáticas e cujas origens são bem assustadoras.

Antes de começar, um esclarecimento: antes da descrição de cada lenda está o nome pelo qual elas são conhecidos na Polônia e entre parênteses está a maneira como tais monstros são chamados nos jogos.

Strzyga (Striga)

Conhecidas como uma espécie de vampiro, as strzygi são mulheres que foram amaldiçoadas. De acordo com o folclore polonês, pessoas com dois corações e dois conjuntos de dentes também são consideradas como tal. Além disso, acredita-se que crianças que nascem com dentes também devem ser tratadas como ameaças e por isso muitas delas chegaram a ser perseguidas. Porém, há quem diga que esses monstros não fazem mal, sendo apenas o presságio de alguém que está prestes a morrer.

Aqueles que acreditam nessa lenda dizem que tais seres costumam morrer cedo, mas como eles possuem duas almas, uma delas permanece no corpo, voltando à vida para então caçar suas vítimas e assim passar a “doença” adiante.

Parecidas com enormes corujas e por voarem durante a noite, os alvos das strzygi costumam ser pessoas que visitam florestas durante este período, mas sem humanos para atacar, elas podem fazer de animais seus alvos.

Para matar uma strzyga é necessário decapitá-la e queimar sua cabeça separada do corpo, mas alguns afirmam que se ela for enterrada com uma foice em torno de sua cabeça, já será o suficiente.

Nocnica ou Płaczka (Nightwraith)

Podendo ser descrita como um “espírito dos pesadelos”, as płaczki ou nocnicy são conhecidas por atormentarem o sono das crianças, o que fazem ao sentar-se sobre o peito dos pequenos para lhes sugar energia, visitando suas vítimas por várias noites. Por causa disso, esses seres também costumam ser comparados a vampiros.

Feitas de sombras e emitindo gritos agudos, essas bruxas exalam cheiro de musgo e sujeira, com alguns afirmando que dormir com a barriga para cima e com as mãos sobre o peito é um convite para as płaczki, já que esta posição normalmente é conhecida como “dormir com os mortos”.

Para evitar o ataque de uma nocnica, algumas mães colocam uma pedra com um buraco no meio perto de seus filhos, desenham um círculo ao redor do berço ou acreditando que seres sobrenaturais não tocam em ferro, deixam uma faca no local em que elas estiverem dormindo.

Południca (Noonwraith)

PołudnicaTambém conhecida como Lady Midday, ou Dama do meio-dia, trata-se de um espírito vestido de branco que vaga pelos campos, com suas investidas podendo causar desde pequenos arranhões no pescoço até ataques cardíacos, ou mesmo levando as pessoas à loucura.

Com sua descrição variando de uma menina com aparentemente 12 anos até uma mulher bem mais velha, essa assombração aparece apenas nos momentos mais quentes dos dias de verão, carregando consigo uma foice ou tesouras que são utilizadas para decapitar aqueles que falham em responder as difíceis perguntas que são feitas pela dama.

Inspirado na lenda, em 1896 o tcheco Antonín Dvořák escreveu o Polednice, um trágico poema sinfônico que conta a história de uma mãe que diz a seu filho que se não se comportar, ela invocará uma południca, o que acaba acontecendo. Então, na tentativa de salvar a criança, a mulher acidentalmente a sufoca, morrendo em seguida com o filho em seus braços.

Topielec ou Utopiec (Drowner)

Nos países eslavos, acredita-se que aqueles que morreram afogados ou bebês que foram abortados acabam se tornando espíritos que passam a habitar o elemento em que pareceram. Ou seja, um utopiec é um ser que se esconde em lagos, pântanos e poços, sugando suas vítimas para o fundo ou matando animais que se aproximam de águas paradas.

Com pele viscosa, altos e com cabelos escuros, eles costumam vir às margens durante a lua nova e uma maneira de evitar ser atacado por esses demônios aquáticos seria utilizar um rosário no pescoço.

Quando perto da beira d’água, você precisa ficar quieto. Primeiro para não assustar os peixes. Segundo para não atrair os drowners.” —Yanneck of Blaviken, pescador.

Leszy (Leshy)

Muito mais inteligente do que a maioria dos monstros, um leszy — ou, “aquele da floresta” — é um ser humanóide do sexo masculino cuja tarefa é cuidar dos animais selvagens.

A principal característica de um leszy é sua habilidade de mudar de forma ou tamanho, além de sua barba e cabelo feitos de vinhas e matos. Como vários desaparecimentos de crianças costumam ser atribuídos a esses demônios, que muitas vezes são representados com pele pálida, cascos, chifres e um rabo, é bastante comum associá-lo ao diabo. Eles também seriam o equivalente ao curupira do folclore brasileiro.

Por ter amplo conhecimento sobre tudo relacionado à vida selvagem, dizem que muitos agricultores e pastores fazem pactos com leszy, na tentativa de ter uma melhor colheita ou um rebanho mais saudável.

Mora (Kikimore)

Morando atrás de fogões ou no porão, esses espíritos também são associados a uma noite mal dormida ou à paralisia do sono e especificamente no folclore polonês, uma mora é a alma de uma pessoa que deixou o corpo enquanto ela dormia.

Parecendo um tufo de palha ou de cabelo, as mory entram nos quartos através do buraco da fechadura, então sentam sobre o peito da pessoa com a intenção para estrangulá-la.

O método recomendado para as crianças evitarem um ataque é olhar para a janela ou virar seus travesseiros e fazer um sinal da cruz neles, com alguns sugerindo ainda deixar uma vassoura de cabeça para baixo atrás da porta ou colocar um cinto sobre os lençóis.

Há quem diga que aqueles que vendem uma casa e que queiram prejudicar o comprador podem invocar uma mora, que poderá incomodar os moradores por exemplo assobiando, fazendo barulhos durante a noite ou até quebrando pratos.

Rusałka (Rusalka)

rusalkaEmbora até o século XIX não fosse considerado um espírito mau, hoje as rusałki são temidas por muitos, já que o único objetivo dessas aparições é sugar a vida de suas vítimas, normalmente homens que caem nos encantos dessas assombrações que parecem belas mulheres.

Muitas vezes comparadas às sereias, as rusałki são espíritos de jovens que cometeram suicídio por afogamento, foram maltratadas por seus maridos (muitas vezes mais velhos) logo após o casamento ou que ainda foram afogadas por terem engravidado contra sua vontade.

Na Rússia, durante muito tempo acreditou-se que mulheres ruivas poderiam se tornar uma rusałka, já que estaria enfeitiçadas. A lenda ainda diz que esta assombração pode surgir de um bebê não batizado e que foi afogado por sua mãe, por ter sido gerado fora do casamento. Nestes casos eles vagam pelas margens dos rios clamando para que o batismo seja feito e assim possam descansar.

Wiła (Vila)

O equivalente no folclore eslavo às ninfas, as wiły também são tratadas como bichos-papões e aparecem como mulheres nuas ou ainda utilizando belos vestidos brancos, roupas feitas com folhas ou robes azuis extremamente detalhados.

Em vida, esses espíritos eram mulheres que davam uma importância exacerbada à coisas fúteis e por isso, após morrerem ficam vagando entre o mundo material e o espiritual.

Apesar de sua aparência inofensiva, esses seres parecidos com fadas são guerreiras poderosas, a ponto de fazerem a terra tremer quando estão em batalha, com um grupo delas sendo capaz até de levantar uma casa com uma uma rajada de vento.

Mesmo sendo conhecidas por ajudar humanos, seu charme pode ser utilizado para conquistar homens jovens, que se quebrarem sua palavra ou as ameaçarem, pagarão com a vida.

Se um dia você encontrar um círculo de grama mais baixo em um campo, não pise nele, pois uma wiła dançou ali e isso lhe trará azar.

Wodnik (Vodyanoy)

Com cara de sapo e um corpo de homem coberto por musgos, algas e escamas de peixe, wodniki habitam rios, lagos, e lagoas, onde viajam sobre um tronco e assim como as rusałki, muitas vezes são apontados como os causadores de afogamentos.

Além disso, quando zangados eles podem destruir barragens e moinhos, além de matar animais, o que faz com que muitos pescadores e até apicultores realizem sacrifícios para lhes agradar.

Como costumam atacar aqueles que fazem festas na beira de seus habitats, o conhecimento popular recomenda não desrespeitar esses locais e evitar nadar durante a noite.

Em 2013 o diretor Fred Terling lançou o filme de terror Croaker, que conta a história de Florian Sirko e sua família. No longa eles  que precisam enfrentar uma maldição que trouxe um wodnik para sua cidade, enquanto lida com o ceticismo do grande amor da sua vida.

Wodnik2

Wilkołak (Werewolf)

Sendo mencionados desde a Grécia antiga, wilkołak é a maneira como os poloneses se referem aos licantropos, ou como nos habituamos a chamá-los, os lobisomens.

Uma das versões da lenda diz que a maldição teve início com Licaão, primeiro rei da Arcádia e que devido a sua alta religiosidade, passou a fazer sacrifícios humanos, chegando a matar todos os estrangeiros que chegassem à sua cidade.

Indignado com a postura do filho de Pelasgo, Zeus assumiu a forma de um peregrino e lhe fez uma visita. Como de costume, o rei ordenou que aquele homem fosse sacrificado e após presenciar alguns sinais de que se tratava de um deus, Licaão fez com que seus súditos matassem, desmembrassem e cozinhassem um escravo para que fosse servido a Zeus. Diante de tamanha barbárie, Zeus transformou o rei e seus 50 filhos — que eram igualmente cruéis — em lobos.

————————————————————–

É importante dizer que essas são apenas algumas lendas que inspiraram os jogos da série The Witcher, mas existem muitos outros monstros presentes tanto nos games quanto no rico folclore polonês.

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.
  • Marcus Roberto

    Artigo espetacular, Dori! Estou com um problema sério, não quero que Witcher 3 acabe. Levando em consideração o tamanho do game, é bem capas disso acontecer.

  • Belíssimo post! É sempre muito legal conhecer novas culturas. Eu ainda não joguei esse 3º pois preciso jogar o 2 rs. Mas com certeza está na minha lista de jogos. E o que é legal também é ver que o game conseguiu ser a melhor forma de compartilhar o Witcher com o mundo, vide que os filmes e os livros não fizeram tanto sucesso por aqui.

  • Muito legal, adoro folclore 😀
    Acho interessante ver como certos "monstros" aparecem em diferentes culturas…

  • Pingback: Vendas NPD — maio: o PS4 retoma a liderança nos EUA com The Witcher 3()

  • Pingback: The Witcher será adaptado para o cinema()