O prazer das explosões

Recentemente comentei por aqui que eu havia arriscado comprar o Mercenaries 2. É verdade que o jogo possui alguns errinhos, que os gráficos não são aquela maravilha e vez ou outra tropeçamos na jogabilidade, mas por incrível que pareça, estou gostando do jogo e queria contar uma situação que aconteceu enquanto jogava.

O game conta com algumas missões secundárias, como capturar ou assassinar algumas pessoas ou destruir certos edifícios e após passar por uma dessas construções e não ter a menor ideia de como faria para destruí-la, acabei desistindo, mas  enquanto estava me dirigindo para obter uma nova missão, passei perto de outro desses prédios, repleto de inimigos e que precisava ser destruído.

Read more about O prazer das explosões

O Mario de papel

Dezenove horas! Esse foi o tempo que levei para conseguir chegar ao final do Super Paper Mario para o Nintendo Wii. Ao contrário do que eu pensava inicialmente, o jogo não é um RPG e sim um típico jogo de plataforma com elementos de Role Playing Game.

Ao longo de todo o jogo somos obrigados a solucionar alguns enigmas, utilizar itens para aumentar nossos poderes e aproveitar os diversos Pixls encontrados para prosseguir na aventura. Embora esses detalhes tornem a jogabilidade mais dinâmica, fiquei com a sensação de que tantos os itens quanto as criaturinhas que nos ajudam foram pouco utilizadas.

Durante o jogo também encontramos outros personagens que se tornam jogáveis, como a Princesa Peach e o Luigi, o interessante é que cada um deles possui uma habilidade específica como pular mais alto, mas o destaque fica mesmo com o Mario e seu poder de transformar a visão de 2D para 3D, algo parecido com o que foi feito neste mod do Doom.

Um detalhe muito legal é a capacidade do jogo de fazer piada sobre quase tudo, com destaque para a comprovação de que muitos de nós somos mesmo nerds ou com a fase The Underwhere, lugar para onde vão os personagens quando é dado um Game Over.

Um jogo altamente recomendado e que trouxe um pouco de inovação para a franquia, com quebra-cabeças interessantes, um estilo visual belíssimo e muitas horas de diversão, só peca mesmo pela baixa dificuldade.

Read more about O Mario de papel